LANCE FORA O MEDO!

No filme Batman – O Cavaleiro das Trevas1, o Coringa ultrapassa o limite de antagonista e odeia, além da sua própria, a existência do seu arqui inimigo. É um filme que conta à história de um homem amedrontado no passado e movido pela vingança no presente, onde o medo é a mola que proporciona movimento e energia.

Bruce Wayne/Batman é o indivíduo que busca na realização do seu desejo a sublimação de sua dor passada e que acaba por produzir, nos outros, o que ele mesmo experimentou: medo. Depois desse filme não sei mais se podemos chamá-lo de super herói, não no sentido lato da palavra. Já o Coringa é a própria alegoria da ameaça e da falta de motivos para uma desgraça; ele é o próprio terror vivo, o que faz os marginais de Gothan acreditarem ser ele o único capaz de infringir ao inimigo o mesmo dano psicológico que lhes sobrevêm. Temos, a partir daí, um espetáculo de crueldade, onde o medo é a entrada, o prato principal e a sobremesa; onde o Coringa é quase um filósofo que justifica suas atitudes pelo simples desejo de gerar o caos.

Um dos diálogos mais marcantes do filme é aquele em que ele afirma que a morte de soldados numa guerra ou de um indigente qualquer é totalmente aceitável, mas que se alguém resolve balear um prefeitinho qualquer, toda a sociedade se choca e se indigna. É algo que faz pensar: será que nos comovemos com a morte pura e simplesmente ou apenas com a morte de nossos iguais, daqueles que participam de nossa “casta social”?2 O medo da morte é algo muito comum em todos os lugares e épocas, mas além disso, o filme Batman – O Cavaleiro das Trevas passa-nos uma idéia de que o medo é um possível catalisador de moderna rebeldia.

“O mundo perdeu a lógica e, ao perdê-la, perdeu a ética. Ou podemos ler a frase ao contrário: ao perder a ética, que já era pouca, perdeu a lógica. A ética é a ligação entre os homens e os deuses, entre a fé e a razão. Não é preciso ser religioso para ser ético. Basta respeitar a vida, como a têm respeitado a maioria dos seres humanos e algumas de suas organizações filantrópicas.”3

Olhando para o medo, pelo prisma bíblico, vemos superficialmente que é uma emoção que impede os homens de assumirem suas responsabilidades; o medo é desagregador e começou no Jardim do Éden assim que o pecado entrou no mundo, produzindo o primeiro covarde da história, Adão (que lançou sobre Eva toda a culpa de sua desobediência). A consciência de culpa, ou ainda, a vergonha e medo pelo erro cometido são o resultado direto do pecado original cometido por Adão e prolongado pela sua descendência4. É este medo que faz as pessoas desconfiarem dos outros, suspeitarem mal, não enfrentarem os seus problemas e até impedir os relacionamentos. O medroso não se move, não faz, não é capaz de desempenhar seu papel social. Não ama e nem perdoa.

O medo bloqueia o nosso acesso até Deus e nos obriga a buscarmos soluções para as nossas vidas longe Dele. E toda procura que nos afasta de Deus nos faz insubmissos, e nossa não submissão a Deus é pura REBELDIA!

Ultimamente um medo generalizado assola o mundo; as fobias cada vez mais se multiplicam em razão do estresse e da angústia provocados pela desorganização da vida e do medo produzido pela violência e total falta de paz. Some a isto a busca frenética do sucesso e a ansiedade típica do homem moderno, e acabamos por fabricar a doença mais difundida do nosso século: MEDO5!

Quando olhamos para a filosofia vemos que um caráter virtuoso define a relação do indivíduo com a sociedade, gerindo a sua vida pública; no Cristianismo, o caráter define, primeiramente, sua relação com Deus (Amarás o Senhor teu Deus de todo o teu coração, Mt. 22.37) e depois com o seu semelhante (Amarás o teu próximo como a ti mesmo, Mt. 22.39), fazendo da fé e do amor as virtudes mais importantes. É o amor praticado entre irmãos, amigos e ao próximo que lança fora todo o medo!

A partir daqui devemos enfatizar a integridade, pois é esta a virtude mediante a qual uma pessoa e seus atos são irrepreensíveis, íntegros, honestos, incorruptíveis. Voltando ao filme, vemos que Batman e Coringa digladiam-se em um dilema moral e que não conseguem ir além da busca de realização própria, pois não conseguem enxergar que uma reputação imaculada, um caráter bom pode parar o medo.

Mas integridade (caráter) não é reputação. D. L. Moody diz que o caráter é o que o homem é na obscuridade, quando está sozinho. Infelizmente nossa geração acha difícil distinguir caráter de reputação; e isto é tudo o que vale hoje em dia: ter uma reputação. Ser o “tal”, o “cara”. Será preciso lembrar que a concretização dos nossos sonhos depende mais da nossa integridade do que da nossa reputação? No livro de Provérbios  lemos que “A integridade dos retos os guia; mas, aos pérfidos, a sua mesma falsidade os destrói” (11.3 ARA)6.

A Bíblia ao relatar o testemunho da vida de José nos mostra esta possibilidade, de um homem manter-se, sob a graça divina, íntegro, independente da idade e das circunstâncias que o envolvam. Assim como Jesus, José sempre evidenciou as virtudes próprias de um caráter forjado pela adversidade e perseverança no Senhor. Logo, o caráter abrange tudo o que pensamos, falamos e fazemos, aprendemos e vivemos. Ele revela nossa completa identidade. Por isso, sem aquele medo paralisante e disfuncional José venceu as agruras e vicissitudes, e de igual modo Cristo padeceu por nós, como um servo piedoso e temente a Deus, humilde e abnegado; Ele estava disposto a fazer sempre à vontade Daquele que lhe enviou!

Ora, nós crentes, sabemos que sem fé é impossível agradar a Deus, e também sabemos que a fé sem obras é morta; ora, praticar a fé amando o próximo agrada e muito a Deus, porque demonstramos amor e crença a tudo que Ele representa através de um relacionamento virtuoso com outras pessoas, quer professem ou não a mesma fé. A falta de fé e de amor prático faz com que o crente seja dominado pelo medo de fracassar em diversas áreas da vida, seja profissional, acadêmica, ministerial, familiar, etc. Precisamos lembrar que a declaração angélica: “Paz na terra, boa vontade para com os homens” (Lc. 2.14b), é um convite a extinção do medo, pela correta aplicação do perdão e ajuda mútua, e que a Bíblia nos dá ensinamento quanto a isto e base moral para todos os cristãos, quando  revela o que Jesus disse: “Portanto, tudo o que vós quereis que os homens vos façam, fazei-lho também vós” (Mt. 7.12).

1-http://pt.wikipedia.org/wiki/The_Dark_Knight

2 – http://heresialoira.com/2008/07/o-panteo-dos-viles-inesquecveis-ganhou.html

3 – http://1quartodeseculo.blogspot.com/2008/07/um-momento-para-o-silncio.html

4 – TEOLOGIA SISTEMÁTICA, Louis Berkhof, editora Cultura Cristã, 2004, pág. 209.

5 – Segundo o Dicionário digital Aulete, medo é “Sentimento inquietante que se tem diante de perigo ou ameaça; FOBIA; PAVOR; TERROR: Ele tem medo de tempestades; ansiedade diante de uma sensação desagradável, da possibilidade de fracasso etc.; RECEIO; TEMOR: Tinha medo de ser abandonada pelo marido. [ Antôn.: calma, despreocupação.] Atitude covarde; POLTRONARIA: Fugiu por medo de apanhar. [ Antôn.: bravura, coragem.]”.

6 – Extraído de  QUEM É VOCÊ PARA JULGAR?, LUTZER, E. W., Rio de Janeiro, CPAD, 2005, pág. 236-7.

Anúncios

Sobre lucaspinduca

I like to think I'm part cultural voyeur mixed with a splash of aspiring behavioral scientist and wannabe motivational christian speaker.
Esse post foi publicado em Sem categoria e marcado , . Guardar link permanente.

Uma resposta para LANCE FORA O MEDO!

  1. Pingback: Seja um cristão e não um pseudo-especialista em cristandade. | Oficina do Pinduca

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s